Arquivo de junho, 2012

Popularizar a Universidade

Publicado: 11 de junho de 2012 em Educação, Luta

Neste domingo, 10/06, foi realizada em Seropédica uma “Aula Pública”, com atividades de batucada, teatro de rua e intervenções sobre Educação Popular, Greve nas Universidades Federais e cotas raciais. O ato foi organizado pelo Lavante Popular da Juventude, Comando de Greve estudantil da UFRuralRJ, IFHEP(Instituto de formação humana e educação popular), ADUR(associação dos docentes da Universidade Rural) e Teatro Militante.

As organizações evidenciaram a falta de políticas na Universidade Rural, que permitem uma maior democratização do ensino, como as cotas raciais. A Universidade Rural se encontra na baixada fluminense, região de grande concentração de população negra, em geral sem acesso ao ensino superior. Por isso, está colocado a necessidade de lutar por um outro projeto de educação para o país, que esteja voltado para as demandas do povo, e possa estender-se até os limites onde se encontra a sociedade. Garantir mais investimentos e ampliar a Universidade com qualidade é uma luta de todos/as.

O ato ocorreu em uma feira pública onde se concentram a população para o comércio local. Houve muita interação durante a apresentação do teatro que causou impacto nos feirantes e população em geral. Para Richard Clayton, estudante da Rural e militante do Levante Popular da Juventude, “a cultura tem um potencial muito grande para a educação do povo. Melhor que ficarmos com milhões de discursos no vazio, é intervirmos na realidade com criatividade e ousadia, foi o que fizemos com o teatro e a batucada”.

Juventude que ousa lutar, constroi Educação Popular!

Anúncios

Ontem o Levante Popular da Juventude, juntamente com demais movimentos sociais, realizaram dois atos no Centro do Rio de Janeiro. O primeiro foi realizado em frente ao INEA – INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE por ocasião do DIA INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE. O ato motivado pelo descaso com que o Governo do Rio de Janeiro tem tratado as questões ambientais e com todo processo de exclusão dos movimentos que tentam abraçar essa luta, mas que são impossibilitados pelo modo com que o Governo Ditador do Sérgio Cabral e do Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc tratam as questões.

Em seguida, a Juventude do Levante se dirigiu juntamente com os demais movimentos sociais e sindicatos presentes, até o Aeroporto Internacional Santos Dumont para realizar um protesto contra a Privatização dos Aeroportos. Nos sensibilizamos com a causa dos aeroviários por que entendemos que a privatização do que é nosso, povo brasileiro, não se faz necessário. Estamos cansados de ser enganados pelo Governo que a todo instante insiste em andar de mãos dadas com as EMPREITEIRAS. Isso nós não admitiremos. Quando preciso for, iremos às ruas sim, pois é lá que a transformação acontece, é lá que conseguiremos obter ganhos concretos.

JUVENTUDE QUE OUSA LUTAR, CONSTRÓI O PODER POPULAR!

Reportagem da OAB/RJ, publicada em seu site.

A OAB/RJ apoia o Levante Popular da Juventude, organização de jovens militantes que tem promovido, em várias partes do país, atos públicos ridicularizando militares e policiais acusados de envolvimento em torturas durante a ditadura pós 1964. O respaldo institucional foi dado nesta terça-feira, dia 5, pelo presidente Wadih Damous, ao receber pedido nesse sentido de um grupo de ativistas do Rio. Aqui, eles já promoveram panfletagem em frente ao Clube Militar e puseram faixa nos Arcos da Lapa em favor da Comissão da Verdade.

“O Levante cumpre um papel importante de busca da verdade de fatos escabrosos que aconteceram na ditadura militar, e os escrachos acabam por substituir a justiça que o Supremo Tribunal Federal (STF) deveria ter feito e não fez, ao decidir que torturadores estão sob o abrigo da Lei de Anistia”, afirmou Wadih, elogiando a atitude dos jovens. “Podem contar conosco”, disse.

Um dos integrantes do grupo, Thiago Ferreira, o Tiago Pará, contou que os integrantes do Levante começam a sentir a possibilidade de reação por parte dos acusados de torturas. “Viemos pedir o respaldo e o apoio da Ordem porque percebemos tentativas de identificar-nos e de buscar informações sobre nós. Queremos nos precaver”, contou, citando um episódio de tentativa de intimidação ocorrido em Sergipe. O Levante pretende colaborar com a Comissão da Verdade instituída pelo governo federal.

O movimento prepara um grande ato durante a realização da Cúpula dos Povos e pretende reunir outros grupos e entidades da sociedade civil em repúdio a nomes de agentes que participaram da ditadura militar. A data e o local serão divulgados em breve pelo grupo.