Arquivo de setembro, 2013

1280835_606465469417461_1555033980_n

Hoje, na ALERJ, será votado o Projeto de Lei Nº 416/2011, que trata do “Programa Estadual de prevenção ao aborto e abandono de incapaz”, que autoriza a criação, pelo poder executivo, de “Casas de Apoio à Vida”. Essas casas são destinadas somente à mulheres em situação de gravidez indesejada, ou seja, aquelas que foram vítimas de estupro, ou até mesmo os casos de gravidez incidental. Somado a isso, o projeto versa sobre como irão orientar tais mulheres nesse processo, o que nos parece ser uma tentativa de convencer as mulheres que foram estupradas a desistirem da realização do aborto, que lhes é um direito. Desse modo, as mulheres teriam de aceitar a condição inevitável de seu estupro, tendo que se conformar com a gravidez posterior.

Muitas questões envolvem esse projeto, e muito mais do que buscar o bem estar das mulheres, tenta tirar direitos já conquistados por nós mulheres e dá aos religiosos poderes reais de interferência nesses casos.

Mas as mulheres do Levante não deixaram de mostrar sua voz com relação a isso! Então hoje, juntamente com as mulheres da Marcha Mundial e todas aquelas que querem ter seus direitos respeitados, faremos um ato na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro apresentando a nossa posição e lutando para que nossa vida seja respeitada!

O corpo é nosso! É pela vida das mulheres!

Todas à ALERJ, 13h!

manifestantesprotesto2doicoditaniaregoabr

Na manhã de hoje, a Articulação Estadual por Memória, Verdade e Justiça do Rio de Janeiro acompanhou a visita da Comissão Estadual da Verdade ao 1° Batalhão de Polícia do Exército, onde funcionou o Destacamento de Operações de Informações — Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), nos anos da Ditadura Civil-Militar do Brasil.

05rjvisitadoicodirandolfebolsonaromarcuspintoterComposta por militantes de varias organizações, (LPJ, Coletivo RJ, Grupo Tortura Nunca Mais, PCR, PCB, PT, PCdoB, PSB) e independentes, a Articulação vem apoiando e impulsionando o trabalho da Comissão Estadual da Verdade (CEV). Hoje não seria diferente. Os militantes foram até a porta do batalhão onde aconteceu a visita, que só pôde ser realizada depois de muito esforço por parte da CEV, da militância,  e de uma comissão formada por senadores e deputados de vários partidos que conseguiram a autorização da cúpula do Exército. A visita já tinha sido impedida em agosto e teria sido realizada na última sexta-feira, mas foi adiada mais uma vez. Após muita negociação, um grupo de pessoas (autorizadas pelo Exército) conseguiu finalmente adentrar o lugar onde na Ditadura funcionava o DOI-Codi da Rua Barão de Mesquita, na Tijuca, um dos maiores centros de tortura do Brasil.

A visita começou com um início de confusão provocado pelo deputado Jair Bolsonaro que agrediu o senador Randolfe Rodrigues do PSOL, em uma clara tentativa de causar tumulto. Porém, Bolsonaro foi rechaçado e impedido de prosseguir na visita junto com outros parlamentares e a CEV, que não admitiram sua presença.

Por outro lado, a visita trouxe momentos muito emocionantes e importantes na busca por nossa História, pois manifestantesprotestodoicoditaniaregoabrcontou com a presença de ex-presos, e um deles, Álvaro Caldas, reconheceu o lugar onde ele próprio e sua companheira foram torturadxs. Também teve como grande aspecto positivo mostrar a mobilização dos militantes que debatem e lutam por Memória, Verdade e Justiça e o trabalho da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro. 

Apos a saída do local, a CEV deu uma coletiva para a imprensa, familiares e militantes populares que estavam de fora apoiando a visita, esclarecendo como havia se dado. Para a Comissão da Verdade do Rio, o DOI-Codi foi o principal centro de torturas do Rio durante a ditadura militar. A visita ao prédio é o primeiro passo da proposta de transformar o local em um centro de memória, como ocorreu com o antigo Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de São Paulo e com os centros de tortura na Argentina, no Uruguai e no Chile.

O Levante Popular da Juventude e a Articulação Estadual por Memória, Verdade e Justiça seguirão em luta!

Porque não se vira uma página que não foi lida!

(Curta a página da Articulação no Facebook)

marcha-internacional-mulheres-paulista-2013_cut

Mais de 80 mulheres do Levante Popular da Juventude de todas as regiões do país, estiveram presentes no 9ª Encontro Internacional da Marcha Mundial das Mulheres, em São Paulo, que teve como lema: “Feminismo em Marcha para Mudar o Mundo”, nos dias 25 a 31 de agosto.

O encontro contou com a participação de vozes feministas de todos os continentes que relataram as especificidades da opressão de gênero em seus países e a afirmação de que as mulheres tem comum o mesmo inimigo: o sistema capitalista, patriarcal e lesbofóbico.

mmmbahianewhit

Para Patrícia Chaves, do Levante, foram dias de solidariedade, de partilha de vidas e resistências. Dias de debate sobre o avanço do capital sobre os territórios, trabalho e corpo das mulheres. Foram dias de fortalecer um campo político e refletir sobre as trajetórias do feminismo nesse continente. Tudo isso com muita diversidade, batucada feminista, cores, lambes, estencil, músicas e alegria.

O Encontro reafirmou o compromisso das mulheres do Levante contra o machismo e da sua aliança com a Marcha Mundial das Mulheres, com que o movimento tem parceria  desde sua criação.

As companheiras Larissa e Mariana, do Levante do Rio de Janeiro, contam no terceiro programa da Rádio LevanteRJ como foi o encontro da Marcha e a importância da luta feminista! Ouveaí!



Para ler o texto completo, acesse aqui o site do Levante Nacional. 
E para saber mais sobre a Marcha Mundial das Mulheres, acesse aqui o site delas.

image_large
SEGUIREMOS EM MARCHA ATÉ QUE TODAS SEJAMOS LIVRES!

MAB

A necessidade de uma política nacional de direitos para as populações atingidas por barragens, uma política energética popular, bem como a luta contra as privatizações implementadas no país. Essas foram as pautas presentes no Encontro Nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), realizado entre os dias 2 e 5 de setembro em São Paulo.

Durante esses dias, cerca de 3 mil pessoas de várias lugares e organizações, inclusive o Levante Popular da Juventude, se somaram ao MAB para discutir o tema “Água e energia com soberania, distribuição da riqueza e controle popular” e lutar, nas ruas, por um projeto de energia que seja popular.empresacorruptora_terra-300x224

Num dos momentos de luta do Encontro, os movimentos realizaram um ato na sede das empresas Siemens e a Alstom, que além de serem foco de denúncias por formação de cartel para atuação em obras do metrô e trens da cidade de São Paulo, também fornecem equipamentos para as hidrelétricas no Brasil e estão presentes, inclusive, em Belo Monte, no Pará.

“A energia produzida em nosso país tem que estar a serviço da população, a serviço da soberania do nosso país, e não a serviço de grandes empresas se apropriando de toda esta riqueza” enfatizou Liciane Andrioli, da coordenação nacional do MAB ao Jornal Brasil de Fato.

O segundo programa da nossa rádio traz os companheiros Leonardo e Rayanne, do Levante do Rio de Janeiro, que estavam lá, contando um pouco mais sobre como foi esse encontro e porque é tão importante discutir o tema. Ouveaí!


Ouvir Rádio LevanteRJ #2 no SoundCloud

Ah! Se você quiser saber mais sobre como se organiza o MAB e quais são suas pautas e próximas ações, é só entrar lá no site deles   : )

cartaz Grito dos Excluídos 2013

Neste sábado acontece a 19ª edição do Grito dos Excluídos e das Excluídas em diversas cidades do Brasil, para mais uma vez denunciar que nós, povo brasileiro, não somos independentes apesar da para militar do dia 7 de setembro nos dizer o contrário. Para que sejamos livres ainda teremos que lutar e gritar muito! Nesse ano o tema é “Juventude que ousa lutar, constrói o poder popular”, lembrando que a juventude não está apática, sentada em casa esperando a ajuda cair do céu, mas que têm lutado para construir um país em que o povo tenha de fato poder!

Nós, do Levante do Rio de Janeiro, aproveitamos esse momento de mobilização para lançar o primeiro programa da nossa rádio! E é com muito orgulho que o apresentamos a todos todas as companheiras que têm seguido conosco em luta e que, com certeza, estarão no Grito e em diversos outros momentos de luta conosco!

Ouveaí e compartilha 😉

Ouvir Rádio LevanteRJ #1 no SoundCloud

E NOS VEMOS NO GRITO! DIA 7 DE SETEMBRO, ESQUINA DA AV. PRESIDENTE VARGAS COM A URUGUAIANA, ÀS 9H.