Articulação Estadual por Memória Verdade e Justiça na visita ao DOI-Codi

Publicado: 23 de setembro de 2013 em Luta, Memória, Verdade e Justiça

manifestantesprotesto2doicoditaniaregoabr

Na manhã de hoje, a Articulação Estadual por Memória, Verdade e Justiça do Rio de Janeiro acompanhou a visita da Comissão Estadual da Verdade ao 1° Batalhão de Polícia do Exército, onde funcionou o Destacamento de Operações de Informações — Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), nos anos da Ditadura Civil-Militar do Brasil.

05rjvisitadoicodirandolfebolsonaromarcuspintoterComposta por militantes de varias organizações, (LPJ, Coletivo RJ, Grupo Tortura Nunca Mais, PCR, PCB, PT, PCdoB, PSB) e independentes, a Articulação vem apoiando e impulsionando o trabalho da Comissão Estadual da Verdade (CEV). Hoje não seria diferente. Os militantes foram até a porta do batalhão onde aconteceu a visita, que só pôde ser realizada depois de muito esforço por parte da CEV, da militância,  e de uma comissão formada por senadores e deputados de vários partidos que conseguiram a autorização da cúpula do Exército. A visita já tinha sido impedida em agosto e teria sido realizada na última sexta-feira, mas foi adiada mais uma vez. Após muita negociação, um grupo de pessoas (autorizadas pelo Exército) conseguiu finalmente adentrar o lugar onde na Ditadura funcionava o DOI-Codi da Rua Barão de Mesquita, na Tijuca, um dos maiores centros de tortura do Brasil.

A visita começou com um início de confusão provocado pelo deputado Jair Bolsonaro que agrediu o senador Randolfe Rodrigues do PSOL, em uma clara tentativa de causar tumulto. Porém, Bolsonaro foi rechaçado e impedido de prosseguir na visita junto com outros parlamentares e a CEV, que não admitiram sua presença.

Por outro lado, a visita trouxe momentos muito emocionantes e importantes na busca por nossa História, pois manifestantesprotestodoicoditaniaregoabrcontou com a presença de ex-presos, e um deles, Álvaro Caldas, reconheceu o lugar onde ele próprio e sua companheira foram torturadxs. Também teve como grande aspecto positivo mostrar a mobilização dos militantes que debatem e lutam por Memória, Verdade e Justiça e o trabalho da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro. 

Apos a saída do local, a CEV deu uma coletiva para a imprensa, familiares e militantes populares que estavam de fora apoiando a visita, esclarecendo como havia se dado. Para a Comissão da Verdade do Rio, o DOI-Codi foi o principal centro de torturas do Rio durante a ditadura militar. A visita ao prédio é o primeiro passo da proposta de transformar o local em um centro de memória, como ocorreu com o antigo Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de São Paulo e com os centros de tortura na Argentina, no Uruguai e no Chile.

O Levante Popular da Juventude e a Articulação Estadual por Memória, Verdade e Justiça seguirão em luta!

Porque não se vira uma página que não foi lida!

(Curta a página da Articulação no Facebook)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s